Sal: vários tipos para você escolher

Mayra Jordão 1 Comentários 19 de outubro de 2016

Por  Fernanda Lopes.

O Sal é tempero obrigatório nos alimentos.

Atualmente é considerado um dos grandes vilões da mesa, porém não existe apenas o sal branquinho e fininho que encontramos nos saleiros por aí. São vários os tipos de sal.

  • Refinado: Chamado popularmente de sal de cozinha, ele é extraído da água do mar por meio de um processo de evaporação e, depois, refinado. Formado por cloreto de sódio (mistura de cloro e sódio), ele é muito usado no dia a dia como condimento, realçando o sabor dos alimentos, e também como conservante.
  • Grosso: Trata-se do produto bruto da cristalização da salmoura concentrada vinda da água do mar. Ao contrário do sal comum, ele só passa pelo processo de extração, ou seja, não é refinado. Por isso, seus grãos são grandes e disformes. Ele pode ser moído ou utilizado em cristais mesmo (para temperar carnes para churrasco). A composição química do sal grosso é a mesma do comum. Em 1g de sal grosso há 400mg de sódio.
  • Light: Comparado ao sal comum, tem menor teor de sódio. É composto por 50% de cloreto de sódio e 50% de cloreto de potássio. Ao contrário do que o nome sugere, o condimento não é indicado para quem deseja emagrecer, e sim quem têm restrição em relação ao consumo de sódio. Por outro lado, deve-se lembrar de que ele não é indicado para pessoas com problemas nos rins, por causa do potássio. Apesar de ter menos sódio, não vale exagerar nas pitadas. Em 1g de sal light há 197mg de sódio.
  • Rosa do Himalaia: Está localizado aos pés do Himalaia, região que há milhões de anos foi banhada pelo mar. Considerado o mais antigo e puro dos sais marinhos, fica depositado a centenas de metros de profundidade. Tem quase metade de sódio encontrado no sal comum e é muito rico em minerais (são mais de 80), como cálcio, magnésio, potássio, cobre e ferro. Por causa desses compostos, os cristais ganham um tom rosado e um sabor com toque metálico agradável. Pode ser empregado em carnes, aves e peixes, além de saladas e legumes ou na decoração do prato. Em 1g há 230mg de sódio.
  • Negro: Trata-se de um sal não refinado procedente da índia. Por conta de compostos de enxofre presentes em sua composição, tem um forte sabor sulfuroso. Outra coisa que chama atenção é a cor cinza rosada, que evidencia sua origem vulcânica. Além de compostos sulfurosos, é formado por cloreto de sódio, cloreto de potássio e ferro. Pode temperar carne, aves e peixes e na finalização de pratos. Em 1g há 380mg de sódio.
  • Havaiano: Essa variedade de sal não é refinada e tem uma coloração avermelhada por causa da presença de uma argila havaiana chamada Alaea, rica em dióxido de ferro. De sabor suave, pode ser acrescentada a saladas, massas e grelhados. Tem quase a mesma quantidade de sódio comum.
  • Marinho: Comparado quimicamente, o sal refinado e o marinho (também chamado de sal azul) são iguais, ou seja, ambos são formados por mais de 99% de sódio. A principal diferença está no formato dos grãos: enquanto o primeiro é refinado para passar pelo buraco do saleiro, o segundo passa por um refinamento mais rústico, resultando em grãos irregulares (não tanto quanto o grosso). Essa particularidade faz com que o sal marinho gere uma explosão de sabor salgado na língua. Em 1 g de sal marinho há 420mg de sódio.
  • Defumado: Existem diversos tipos de sais defumados. O francês, por exemplo, é produzido com cristais de flor de sal. Os sais são defumados lentamente, em fumaça fria resultante da queima de ripas de barris de carvalho usados no envelhecimento de vinho Chardonay. Já o dinamarquês é feito segundo a tradição Viking: após a evaporação da água do mar, o sal é seco em recipiente aberto sobre fogueira com galhos de carvalho e cerejeira. Em 1g há 395mg de sódio.
  • Rosa do Peru: Tem como origem um oceano muito antigo que secou e ficou preso nos subterrâneos das montanhas no Vale Sagrado dos Incas. É colhido manualmente, tem um índice de umidade elevado, sua coloração é rosa clara e o sabor, forte. Quando comparado aos outros tipos de sal, é o que apresenta um dos menores teores de sódio. Utilizado no ceviche, também pode temperar aves e peixes, entre outras receitas. Em 1g há 250mg de sódio.
  • Flor de sal:São os pequenos cristais retirados na camada mais superficial das salinas. Translúcidos, os grãos são conhecidos por conferir uma textura crocante às preparações. Essa variedade contém muito sódio, mas também carrega magnésio, iodo e potássio. Há vários tipos de flor de sal, sendo que o mais famoso é o da região de Guèrande, localizada na França. No Brasil, temos também. Recomenda-se adicionar na finalização das receitas. Em 1g há 450mg de sódio.

 Texto enviado por Matheus Jordão David Silva

1 comentários

Camila Peloso

19/10/2016
Responder

Fiquei com vontade de comer essa Rosa do Himalaia hahaha Obrigada pelas dicas!

Deixe um comentário