A legalidade e a imoralidade da Terceirização da produção para países subdesenvolvidos

Mayra Jordão 0 Comentários 22 de dezembro de 2015

100 014

Por Guilherme Moura.

O termo terceirização é derivado do termo em inglês Outsourcing, que se refere ao processo onde uma organização contrata uma empresa para realizar uma parte do seu processo produtivo. Tal divisão da produção é benéfica, porque permite que cada empresa realiza a atividade que é mais especializada, gerando ganhos de escala, de produtividade e diminuindo os custos.

Os países desenvolvidos, em sua maioria, possuem rígidas leis trabalhistas que limitam a carga de trabalho e obrigam ao pagamento de uma remuneração mínima. Na tentativa de burlar essas regras, muitas empresas têm optado por terceirizar grandes partes de suas cadeias produtivas para países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, onde não encontram essas “dificuldades”. Os países candidatos a receberem essas empresas veem com bons olhos a instalação dessas corporações nos seus países, pois é uma fonte de renda, impostos e emprego.

Contudo, as condições de trabalho as quais os trabalhadores são submetidos nesses países nunca se equiparam às condições dos países desenvolvidos. Olhando o caso da indústria têxtil em Bangladesh, os trabalhadores trabalham até doze horas por dia recebendo até três dólares ao dia. Não bastando essa situação, os trabalhadores ainda são submetidos a ambientes insalubres de trabalho, correndo até riscos de vida, como os inúmeros casos já reportados de acidente em fábricas.

A grande questão é, você optaria pagar mais por um produto por saber que ele foi produzido de uma forma que respeite o ser humano? Isto é, se você estivesse em uma loja e tivesse duas opções, duas camisas uma de R$70,00 e uma de R$30,00, a primeira produzida “humanitariamente” e a segunda no caso citado de Bangladesh, qual você compraria? Grande parte das pessoas compraria a segunda opção!

Mas essa situação é moral? É legal? Tudo depende da sua perspectiva! Você pode pensar que antes dessa fábrica as pessoas daquela localidade viviam num situação ainda pior! Mas você pode pensar que elas merecem os mesmos direitos que todos temos! Essa situação é fruto da especialização da produção no sistema capitalista, sempre na busca de maximizar o lucro! Mas uma coisa é garantida: grande parte das pessoas que trabalham nessas fábricas querem estar lá! Essa é a beleza do sistema capitalista e o porquê dele se manter como sistema dominante a tanto tempo, ele permite a uma pessoa sonhar com uma vida melhor, mas na maioria das vezes, ela nunca chega lá!

Sugestão de documentários para os leitores (trailer):

https://www.youtube.com/watch?v=5QWeu2W80f0

Guilherme Moura é formado em economia pela UFV, atualmente realiza seu mestrado em economia no CEDEPLAR/UFMG. Metido a economista, aproveita seu tempo livre vendo séries, filmes, viajando para visitar a patroa e acompanhando seu time do coração.

0 comentários

Deixe um comentário